27 maio 2017

Como funcionava a edição de fotografias antes do photoshop


"Hoje em dia é tudo photoshop! Antigamente as mulheres eram muito mais naturais" incontáveis foram as vezes que já li e ouvi isso por aí, e creio não ser a única. Mas será que era tudo "ao natural" mesmo?

Recentemente me deparei com um artigo em um site chamado creativepro.com, sobre um livro de 1946 que relata toda a arte dos retoques pelo autor, Raymond Wardell, um verdadeiro artista e ilustrador que inspirou quem vos fala a trazer aqui essa postagem.

A foto acima é de uma atriz chamada Joan Crawford, editada em 1930 por James Sharp. O processo levou cerca de 6 horas, e em suma, se baseava no cuidadoso desenvolvimento do negativo, marcando e queimando áreas específicas nas fotos. Muita paciência e uma longa série de equipamentos se faziam necessários, e bastava um erro para que todo trabalho fosse destruído. A lista de materiais essenciais para o processo incluía gelatina, algodão, cola, réguas e rolos de borracha. Achou complexo demais? Estranho? Espere para ver o resto.

26 maio 2017

Top 3: Músicas experimentais que tocam a alma

The dance macabre

Já pararam para pensar sobre o quão cômico é o fato de que gastamos a maior parte do tempo tentando descobrir as coisas ao invés de simplesmente apreciá-las visualmente? 

Hoje me recordei de uma curta seleção musical experimental feita por mim anos atrás em uma rede social há muito esquecida. E me perguntei, porquê não trazer o registro delas pra cá!? E é exatamente isso que venho fazer. Espero que também possam tocar a alma de vocês do mesmo modo que tocaram a minha.

1. Pagan Poetry - Bjork

Este vídeo é uma grande desconstrução. O que acaba fazendo dele algo muito chocante e especial. A ideia sobre sexualidade, auto-mutilação estética, e ao mesmo tempo, feminilidade foi tão perfeitamente exposta nesse clip. Sem falar na sexualidade, claramente expressa no rosto de Björk, em sua expressividade. É algo que pode ser facilmente percebido, se for bem absorvido. Uma nudez de emoções, que acaba por emocionar mais que qualquer nudez física. É o pico desta obra de arte. 


“And he makes me want to hurt myself again.” 

Tamanha emotividade, expressando da maneira mais intensa possível o desejo de perde-se em alguém - a ponto de só esse alguém poder lhe machucar. E no final das contas, o amor é isso. Você da o poder à pessoa, e o máximo que pode fazer, é esperar que ela não o use. Por fim, esse vídeo demonstra justamente o que a arte deve ser: uma resposta terrivelmente bonita ao terror de amar. E uma vez que o amor é uma emoção simples e poderosa, sua resposta deve ser simples e poderosa também. Deve-se em outras palavras, ser uma forma de Pagan Poetry. 



15 maio 2017

Curiosidades na produção de "A Família Addams"


Oi! Antes de tudo sinto que devo me desculpar pelo sumiço, mas estou de volta e com algumas novidades que serão reveladas bem em breve.. Bom, que Família Addams é um de meus seriados preferidos não é mistério a ninguém. Decidi separar hoje algumas curiosidades interessantes a respeito desse clássico criado pelo cartunista Charles Addams, na qual a gente tanto ama. Mas antes, que tal dar um play na musica tema para entrar no clima?



1- Morticia Addams
O papel de Morticia foi recusado a Cher, que possuía grande interesse em interpretar a grande femme fatalle, pois o mesmo, já havia sido atribuído a Angelica Huston, que revela ter tido de se empenhar um bocado para cumprir os requisitos e encarnar a personagem. Revelando ainda, ficar extremamente cansada após as gravações, "com dores pelo corpo e crises de enxaqueca".
Sua transformação envolvia doses generosas de maquiagem, unhas postiças gigantescas e um Corset metálico para ajudar a modelar sua silhueta.  

2- Fester Hopkins?
Originalmente, o papel de Tio Fester ou Tio Chico foi oferecido a Antony Hopkins, conhecido por interpretar o famoso canibal Hanibal Lecter. Pode parecer destoante, eu sei, mas me digam um papel em que esse cara não interpretou com maestria? 


18 abril 2017

A tradição judaico cristã e sua série de privações


Dies irae, dies illa
Solvet Saeclum in favilla
 







Prometi para mim mesma não entrar aqui em quaisquer mérito religioso, até porque não penso em expor minha religiosidade. Mas até que dar uma de advogada do Diabo eventualmente não faz mal a ninguém, não é mesmo? Me peguei refletindo sobre todo ninho de toxidade na qual fui emergida durante boa parte de minha infância, adolescência, e principalmente pré-adolescência, em especial pela opressão severa que tive de enfrentar dentro da minha própria família. Ao longo dos meus invernos, leitura, conversa, percepção e vivência acabaram por gerar certo aprendizado e oportunidade de compreender e tirar minhas conclusões sobre meus redores.
E já que agora tenho um blog, acordei me perguntando
 Tem lugar melhor que esse para descarregar os infernos?

17 abril 2017

Sindrome de Sarah Baartman, a Inês Brasil da antiguidade


Alguém aí já ouviu falar na Síndrome de Sarah Saartjie Baartman? Não?

Antes que queiram me apedrejar, vamos retroceder dois séculos, e dar um tour pela história, em um caso tanto intrigante quanto chocante. 

Em 1789 nasceu no seio de uma família Khoisan, situada no vale do rio Gamtoos (África do Sul), uma mulher negra nomeada Saartjie "Sarah" Baartman. Sua vida foi marcada desde cedo com demasiadas penúrias. Ficando órfã na adolescência, continuou mantendo seu fiel desejo de construir uma família e seguir sua própria vida, começando então a trabalhar como empregada doméstica na Cidade do Cabo quando um colono holandês assassinou seu companheiro, com quem a mesma havia tido um bebê que também falecera logo depois.

Aos 19 anos de idade, Sarah foi pega como escrava e levada por Hendrick Cezar -- imão de seu proprietário, ao famigerado FreakShow (Circo de Horrores), com a justificativa, de que ficariam ricos com apresentações da mesma. *Adendo: Como boa parte das mulheres de sua tribo, Saartjie tinha imensas nádegas, hipertrofia conhecida como esteatopigia.

07 abril 2017

UNBOXING: Infinito Store


Para começar o mês de abril com o pé direito, a Amanda da Infinito Store (nossa nova parceira) me enviou 3 lindos itens de sua loja. A Infinito é uma marca bem abrangente. Possuindo itens importados e a pronta entrega a todos os gostos, de Steampunk a Lolita e Cosplayers. 


As peças e acessórios da loja são bem diversificados e diferentes, além de possuírem uma qualidade impecável e preços em conta. Sem muitas delongas, pois a ansiedade está difícil de se conter, vamos as peças e às minhas considerações a respeito das mesmas.

03 abril 2017

Review: O que eu NÃO gostei na Studio Fix Fluid - M.A.C

Your makeup is terrible - But I love you anyway.

Nada melhor que Your makeup is terrible da magnífica Alaska Thunderfuck para estrear a primeira resenha de produtos de maquiagem no blog. Decidi trazer hoje minhas considerações a respeito da tão falada Studio Fix Fluid da MAC. Deixando claro que tudo que digo aqui foi com base nas minhas experiencias pessoais. Valendo ressaltar que apesar de gostar de maquiagem e estar sempre em busca de novos produtos, NÃO sou uma profissional da área.

Após pesquisas e buscas decorrentes nos redores da internet, em pleno calor escaldante do Rio em 2014 - cidade em que eu residia na épocadecidi investir em minha primeira base da MAC. A Studio Fix Fluid que promete ser uma aliada das peles oleosas e proporcionar uma ótima cobertura. O que me pareceu ideal, levando em consideração a exposição constante às temperaturas altíssimas de minha cidade e a necessidade de não sair brilhando por aí feito um pão doce. Será?

Friso com antecedência que essa postagem não possui nenhum intuito de difamar a marca, apenas relatar as experiencias vivenciadas por uma mera mortal frustrada com um produto da mesma, e vocês irão entender porquê. Pois bem. 

A base cumpre o que promete quanto a seu acabamento sequinho na medida do possível (afinal, nota-se considerável transferência) e sua alta cobertura, mas como nem tudo são rosas, venho expor umas contra-indicações e observações a respeito do tão "badalado" produto, para quem sabe ajudar alguém a não rasgar dinheiro como quem vós fala em meio a falta de aviso.



02 abril 2017

Santiago Caruso e o Vanguardismo Decadente

Resultado de imagem para santiago caruso
Plague of a Coming Age
http://santiagocaruso.com.ar/

Elizabeth Bathory
"Uma marionete para a sobrinha."
 "Eu sou o império ao fim da decadência"

Como sendo um artista simbolista da linguagem Vanguardista Decadente, 
Santiago Caruso é sem sombra de dúvidas um de meus artistas preferidos. Que destaca-se tanto por sua fascinante poesia quanto por sua incrível técnica.


O Decadentismo é uma corrente que envolve literatura, arte e filosofia, que desenvolveu-se em quase toda Europa e em alguns países da America. Apesar do título ter sido dado pelos críticos acadêmicos de forma pejorativa e irônica, o mesmo foi bem aceito e recebido pelos participantes do movimento.

Nascido na Argentina em 1982, Caruso destaca-se por suas pinturas vistas como simbólicas e aterrorizantes. O mesmo vem ilustrando autores como HP Lovecraft, Mikhail Bulgakov, Ambrose Bierce e Marel Schwob, dentre muitos outros livros no gênero fantasia, nos mais diversos países.